Corra atrás do seu desafio e crie suas novas oportunidades

desafio

Por toda minha vida sempre que queria fazer algo procurava estabelecer metas altas, quando resolvi voltar a estudar depois da faculdade, escolhi um MBA desafiador, assim como as outras pós graduações, no trabalho, todos os novos projetos em que me envolvi e procuro me envolver foram e são ambiciosos, no esporte, que é minha paixão, não poderia ser diferente.

Logo que comecei no triatlon, me lembro como se fosse hoje, decidi que iria fazer o Ironman. Mal sabia nadar, nunca havia pedalado e corria muito mal, se não bastasse isso pesava só 26 kilos a mais do meu peso ideal. Mas para quem iria ter que nadar 3.8 km, pedalar 180 km e correr uma maratona (42.2km’s) na sequencia, em um ano daquele dia, achei que o desafio estava a minha altura. Muitas vezes me perguntei o porque daquele desafio, mesmo naquele momento sem entender bem o que significava ou mesmo a dimensão de uma prova tão longa e tudo que está por trás daquele dia, mas acho que por ser algo, naquele momento tão intangível, tão grandioso, tão super humano que foram os motivos que me motivaram a estabelecer o desafio, afinal era o mais alto que poderia enxergar.

Hoje, com um novo estilo de vida, alguma provas nas costas e em busca de novos desafios maiores no esporte, me remete a importância dos desafios em nossas vidas, algo que nos faz ir além muitas vezes de nossas possibilidades. Acredito que em nossas vidas ou em nosso trabalho precisamos ser ousados, estabelecer metas altas, poucos são os que não são motivados através por isso verdadeiramente.

Por um certo período acreditei que algumas pessoas, diferente de mim, não se moviam através de desafios, sejam pequenos e rápidos de se realizar ou de médio, longo prazo que exigem resiliência, foco e determinação, mas que com certeza tem um sabor especial de satisfação, quando atingido, muito maior.

O Ironman era apenas uma prova extremamente desafiadora, que gerava medo pelo fato de não conseguir enxergar qual seria o caminho a se percorrer para chegar lá, assim como outros projetos que temos em nossas vidas. Em sua grande maioria os desafios que escolhemos não são impossíveis de ser alcançados, podem ser difíceis, exigem um esforço seja físico, mental ou de abdicação grandes, mas o que nos mais amedronta é falta de visão do caminho, e isso que faz a maioria das pessoas deixar para amanha, sempre empurrar ou evitar de alguma forma o começo, mas te pergunto, se não fizer e deixar para amanha o que vai restar para ser vivido hoje ?

Acredito plenamente que quem nunca enfrentou desafios, apenas passou pela vida, não viveu. Sim, todo mundo quer uma vida tranquila e estável, mas não se consegue isso sem luta, esforço e muita coragem. A vida está cheia de desafios  que, se aproveitados de forma criativa, transformam-se em oportunidades.

Portanto, corra atrás do seu desafio e crie suas novas oportunidades

Anúncios

O famoso e difícil 100%

Essa semana conversando com alguns amigos sobre treinos , provas e principalmente sobre a correria do dia-dia , vi que a grande maioria das pessoas não completa a planilha 100%

Resolvi escrever sobre isso , pois realmente este ano vinha sendo bem complicado realiza-la em 100% , e nessa semana passado eu fiz ! Ufa !!! Tudo bem que os volumes não estão grandes , mas foram 2 treinos diários até quinta , sexta off e transição no sábado.

Esse era o pedido, pelo menos, mas nessa fase pode haver algum ajuste , ainda , não foi diferente , acabei ficando bem dolorido (quadríceps) do treino de quarta e quinta de manha que tive que mudar a natação de quinta a noite para sexta. Mesmo assim sofri bastante no sábado durante o treino.

Mas fiquei pensativo a respeito disso , sobre o pular o treino. Mas vi que temos outras prioridades ao nosso redor, que muitas vezes ficam em nossa cabeça ou melhor , em nosso caminho.

No ano passado completar os 100% era mais fácil , talvez pelo nervosismo ou ansiedade do primeiro Ironman , hoje com mais bagagem você acaba se permitindo abrir mão de um treino aqui outro ali, mas que fazem falta isso sim  e muita.

Dai que vem a  frase famosa de um monte de gente que se mete nisso , “abri mão de tanta coisa ….” realmente , acaba que abre mão mesmo, mas não existe vitória sem sacrifício e isso também é fato.

Agora entrando na reta final do Challenge Maceió a ideia é ficar nos 90% pelo menos, mesmo com as coisas acontecendo ao redor que te puxam para fora da planilha.

Bons treinos e boa semana

Aprendendo a lidar com as adversidades e álbum de fotos Challenge Florianópolis

Medalha Challenge Floripa 2014

Medalha Challenge Floripa 2014

Salve Save galera, tudo bem?

Conforme prometido, aqui estou eu e com a medalha no peito.

Mas nem tudo são glórias, essa prova contribuiu com mais uma etapa do meu amadurecimento e evolução, tanto na vida como no esporte e principalmente me mostrou como lidar com as adversidades.

Confesso que fiquei bastante chateado com o resultado final da prova, fui muito do longe do queria e estava preparado, mas tem dia que não é seu dia e Domingo não foi o meu.

Pneu furado, cambio da bike péssimo com a corrente caindo toda hora, discussão com árbitro que quase chegou a uma briga de fato, penalização com plus da meia encharcada e por fim bolhas com pé (isso mesmo, foram tantas que na verdade as duas solas viraram duas grandes bolhas).

Na prova, assim como na nossa vida, por mais que nos sentimos preparados para os desafios, imprevistos podem acontecer pelo caminho, tornando o que era “quase certo” em algo dramático que te levam a outro rumo e com isso levando sua história para outro fim, que não o desejado.

Cada incidente ia minando minha alma, destruindo tudo que havia construído e fui em cada momento perdendo a cabeça e me descontrolando. Até que chegou um momento da corrida que desencanei totalmente, pois não havia mais nada o que poderia ser feito e resolvi “trazer para os boxes” da maneira que dava, mas desistir ??? Nunca

A maior lição de toda essa experiência , consigo enxergar hoje, dois dias após a prova e com certeza levarei para o resto da vida. É difícil se antecipar às adversidades que acontecem que não estão no seu controle, mas saber manter a calma, continuar procurando entregar o seu melhor, sem se abalar, ou melhor, utilizando isso como mais uma força para lhe incentivar e continuar em busca do seu melhor.  Essa a maior lição que aprendi de como lidar com as adversidades e para aquelas que sim estão no seu controle, ATENÇÃO !!!

Obrigado mais uma vez pela torcida e pelos votos de boa prova, Vamo que Vamo, afinal a vida é que nem a fotografia, o segredo é transformar o negativo no positivo.

Abaixo algumas fotos do final de semana

Roga e eu no Aero

Gui , Paula e Eu no Aero

Gui, Paula e Eu

Gui, Paula e Eu

Ale Ferrari e Eu na transição

Ale Ferrari e Eu na transição

Arrumando a tralha na transição

Ale, Donald e a Julia, nossa futura triatleta

Chefe do fã clube

Fotos de Toca = Uma beleeeeza

Foto Mundo Tri

Foto Mundo Tri

Ludão – tomou puxão de orelha pela bike , mas ele continua sendo o cara !!!

últimas instruções – Mar não tava para brincadeira não

Irmãos Correa , Ale e Gui

Adri Norte e Gui Correa

Na largada

Ale Ferrari , Donald, Eu , Roga

10685519_10152870267518486_5561489385576274_n

Foto Mundo Tri , Ainda não tinha dado nada errado (ainda)

10459919_10152871683728486_6062208832343616809_n

Foto Mundo Tri – Bolhas e dor sim , alegria sempre 😉

10846023_10152871686893486_52435284900514584_n

Foto Mundo Tri

10806498_10205785123136927_1955115247804825365_n

Quadro que resume MUITO bem a prova KKKK

IMG_0499

Bike check-in – Donald , Eu e Roga

IMG_0517

Paula fotógrafa oficial

IMG_0501

Entrando na T1

IMG_0500

T1- me preparando para bike

IMG_0516

Saindo para correr

IMG_0484

O prazer da conquista

Todo domingo é assim, vai passando o dia e as redes socais vão ficando repletas de posts com medalhas, fotos de pessoas suadas, às vezes acabadas, mas sempre com um mega sorriso no rosto.

Também vêm sempre acompanhadas de mil agradecimentos, dos parceiros, esposas, maridos, técnicos ou simplesmente daqueles que o apoiaram em sua conquista. Eu mesmo adoro colocar a foto na rede social da mais nova medalha e mostrar a todos que venci mais uma.

Mas toda a vez que vejo algo assim faço questão de curtir a foto e dar os parabéns. Sei muito bem o quanto é duro começar uma atividade física, afinal também comecei um dia.  Cada um tem sua motivação para começar, saúde, estética, conhecer novas pessoas, mas no fim aquela descarga de endorfina no corpo compensa todo o esforço.

Lembro-me da minha prova, da primeira conquista!!!! Já estava correndo fazia uns seis meses, na época corria com a turma da MPR (Marcos Paulo Reis), três vezes por semana e foi quando me inscrevi uma prova de 10 km da Nike que aconteceria na USP (Nike Plus). Nessa época, meados de 2007, não existiam tantas provas como hoje, eram bem poucas, a mais famosa era essa da Nike que acontecia duas vezes por ano.

No dia, nem consegui dormir, fui super cedo para USP, estacionei o carro e segui o fluxo de pessoas andando, meio sem saber para onde ir, mas seguindo o fluxo. Não conhecia ninguém, nem me preocupei em ir até a barraca da assessoria, para te falar a verdade nem sabia se havia uma. Dirigi-me para a largada, fiquei ali no meio das várias pessoas, me lembro de ter ficado impressionado com tanta gente e a confusão na hora da largada ( 12 mil pessoas), era tudo uma novidade.  Demorou em começar a correr, muita gente, mas aos poucos à caminhada passou a acelerar, entrou um trote e ai sim à corrida. Naquela época não existia GPS, a velocidade era medida por tempo versus a sinalização dos Km’s e funcionava super bem !!!

Lembro-me de querer manter o pace de 6 minutos por KM, esse era o desafio, mas durante o percurso tiveram duas passagens que nunca mais me esqueci. Uma delas foi depois de uns 20 minutos de prova, um silencio absoluto, tanta gente e nenhum piu, mas o que se ouvia eram aqueles vários solados de borracha batendo no chão , fecho os olhos agora e ainda consigo ouvi-los, foi mágico. Mais a frente o som dos vários tênis no chão é interrompido por uma banda tocando o maior rock roll, eu jamais imaginei que fosse encontrar aquela banda lá, todo mundo gritando e cantando, também outro momento inesquecível.

Por fim o último quilômetro, já cansado, totalmente desencanado do tempo, do pace e com um único objetivo, passar a linha de chegada. Foi quando aparece a placa de 9 KM e a sensação de dever cumprido , de vencer veio tomando conta do corpo, coração , um arrepio na nuca !!! Que máximo, depois daquele dia fiquei viciado, como uma droga. Sempre buscando a mesma sensação, mas como aquela nunca mais.

A mesma sensação da primeira vez nunca mais vou ter, mas o que tenho sempre é o prazer da conquista.